Goiânia
+20°C
 
PARTICIPE:
siga o EncontraGO no Facebook
siga o EncontraGO no twitter siga o EncontraGO no Google+
Follow Me on Pinterest
 

Goiânia
É a segunda cidade mais populosa do Centro-Oeste
É a cidade com maior índice de área verde do Brasil
E a segunda com mais área verde no mundo.
120 mais populosas do mundo.
"Capital da Alegria"

 

 

Nasceu em 2008 o goiano Encontra Goiás com a missão de ser o maior Guia de Bairros
e cidades de Goiás

Todos os bairros de Goiânia e cidades GO
“ aqui Goiano Encontra ”


   Prefeitura | Parques  |  Restaurantes Goiânia  |  Hotel Goiânia  |  Pousada Goiânia |  Telefones Úteis






Panoramica Goiânia - GO

Sobre Goiânia

Goiânia é um município brasileiro, capital do estado de Goiás. Pertence à Mesorregião do Centro Goiano e à Microrregião de Goiânia, distando 209 km de Brasília, a capital nacional. Com uma área de aproximadamente 739 km², possui uma geografia contínua, com poucos morros e baixadas, tendo terras planas na maior parte de seu território, com destaque para o rio Meia Ponte.

Localizada no centro do seu estado, foi planejada e construída para ser a capital política e administrativa de Goiás sob influência da Marcha para o Oeste, política desenvolvida pelo governo Vargas para acelerar o desenvolvimento e incentivar a ocupação do Centro-Oeste brasileiro.

Sofreu um acelerado crescimento populacional desde a década de 1960, atingindo um milhão de habitantes cerca de sessenta anos depois de sua fundação. Desde seu início, a sua arquitetura teve influência do Art Déco, que definiu a fisionomia dos primeiros prédios da cidade. É a segunda cidade mais populosa do Centro-Oeste, sendo superada apenas por Brasília.

Situa-se no Planalto Central e é um importante polo econômico da região, sendo considerada um centro estratégico para áreas como indústria, medicina, moda e agricultura. Contudo, tem enfrentado desafios, entre eles a desigualdade social, crescentes problemas de trânsito, índices de criminalidade elevados e o clima seco, resultado da poluição e por se localizar no cerrado brasileiro.

Entretanto, Goiânia destaca-se entre as capitais brasileiras por possuir o maior índice de área verde por habitante do Brasil, ultrapassada apenas por Edmonton em todo o mundo.

Etmologia

O nome para batizar a cidade teria vindo da adaptação ortográfica e possivelmente fonética do título do livro Goyania, a primeira publicação literária cuja temática gira em torno de Goiás. Trata-se de um poema épico do escritor Manuel Lopes de Carvalho Ramos, publicado em 1896 no Porto pela tipografia a vapor de Arthur J. de Sousa. A circulação do livro é muito limitada, razão pela qual a nomeação da cidade permanece desconhecida do grande público. Também é considerada a hipótese de que o nome foi escolhido em evocação à Pedra Goyania, na Serra Dourada, cujo nome emana do poema.

História

Antes da chegada dos europeus ao continente americano, a porção central do Brasil era ocupada por indígenas do tronco linguístico macro-jê, como os acroás, os xacriabás, os xavantes, os caiapós, os javaés, entre outros povos.

A colonização de origem europeia de Goiânia teve origem em 1735, com as primeiras propostas de mudança da capital da capitania de Goiás. O então governante da província, Marcos José de Noronha e Brito, ambicionava transferir a sede administrativa da capitania de Vila Boa para Meia Ponte. Em 1830, Miguel Lino de Morais, segundo governante da província de Goiás durante o Império do Brasil, propôs que a capital fosse transferida para a região onde hoje se localiza o estado do Tocantins. Àquela altura, Vila Boa sofria com a estagnação econômica provocada pelo fim do ciclo do ouro na região, sendo incomum a construção de mais do que uma casa por ano na cidade.

Em 1863, José Vieira Couto de Magalhães, também governante da província de Goiás, retoma a proposta em seu livro Primeira Viagem ao Rio Araguaia, onde descreveu a situação decadente de Vila Boa: "temos decaído desde que a indústria do ouro desapareceu (...) continuar a capital aqui é condenar-nos a morrer de inanição, assim como morreu a indústria que indicou a escolha deste lugar". Os debates sobre a necessidade de transferir a capital de Vila Boa prosseguiram até a Proclamação da República. A primeira Constituição do Estado de Goiás, promulgada em 1° de junho de 1891, previa a transferência da sede do governo em seu artigo 5°. Tal artigo foi mantido nas constituições seguintes, de 1898 e 1918.

Antes de ser inaugurado, o município de Goiânia era referido nos documentos oficiais como "futura capital", "nova capital" ou simplesmente "nova cidade", o que significa que o município permaneceu, no âmbito legal, inominado por dois anos. Em 2 de agosto de 1935, por força do disposto no artigo 1° do decreto estadual número 327, deu-se a denominação de Goiânia à nova capital.

Geografia

Do ponto de vista hidrográfico, Goiânia e sua região metropolitana se localizam numa região onde há 22 sub-bacias hidrográficas, as quais deságuam nos ribeirões Anicuns, Dourados e João Leite. Todas as sub-bacias pertencem à bacia hidrográfica do rio Meia Ponte, afluente direto do rio Paranaíba. Hidrograficamente, Goiânia possui 85 cursos d'água, sendo oitenta córregos, quatro ribeirões e um único rio.

Desde sua fundação, a cidade teve um crescimento populacional desordenado que trouxe problemas ambientais como consequência, com destaque para as erosões, principalmente a fluvial, que vem comprometendo a qualidade de seus cursos d'água.

Relevo

Localizada na região central do Brasil, Goiânia possui uma altitude de 749 metros. Mesmo tendo uma topografia aplainada, a cidade contém regiões altas ou baixas, como o Morro do Mendanha, que possui 841 metros de altitude, e é nele que se localizam torres que pertencem à emissoras de televisões locais. Há também o Morro da Serrinha, tendo 816 metros de altura.

Goiânia se localiza num estado onde o cerrado é a vegetação predominante de 70% de seu território. A cidade contém um solo arenoso e ácido, formado por duas estações distintas. Há várias tipologias florestais na cidade de regiões de savana.

Clima

Em Goiânia predomina o clima tropical com estação seca. Estando numa região de alta altitude, o ar da cidade é relativamente seco na maior parte do ano, chegando a níveis críticos entre os meses de julho e setembro, chegando ao extremo em agosto, como a registrada em tal mês no ano de 2011, quando a umidade do ar esteve em torno dos 10%. Tais níveis são resultados da urbanização e desmatamento da vegetação original.

As temperaturas mais baixas são registradas no inverno, e as mais altas na primavera. A precipitação varia entre 0 e 270 mm, sendo mais frequentes de outubro a março. A temperatura é amena durante todo o ano, variando em média de 20,7 °C a 25,6 °C, sendo a média anual de 23,15 °C.

Demografia

A população do município em 2011, de acordo com o IBGE, era de 1.302.001 habitantes, sendo o município mais populoso do estado e o 12º do Brasil. O principal motivo para a grande população está na proximidade de Goiânia com Brasília, que impulsionou o crescimento do município e a região entre ele e a capital federal, tornando o Eixo Goiânia-Brasília o terceiro maior aglomerado populacional do país, reunindo cerca de nove milhões de pessoas. A Região Metropolitana de Goiânia é atualmente a décima maior aglomeração urbana do Brasil, com uma população de 2.173.141 habitantes.

Desigualdade Social

Segundo dados do IBGE, em 2011 Goiânia possuía sete aglomerados subnormais, que são: Emílio Póvoa, Quebra Caixote, Rocinha, a primeira e segunda etapa do Jardim Botânico, a área I do Jardim Goiás e uma invasão numa parte do Jardim Guanabara, e somavam uma população de 3.495 pessoas em 1.066 domicílios.

Goiânia é a metrópole brasileira com o menor número de favelas do país. Embora o termo favela não seja bem visto pelas autoridades da cidade por não haver muitos morros no município, em 2009 existiam 141 áreas irregulares, chamadas de invasões.

Segundo especialistas, tal situação é maquiada em Goiânia, já que as famílias moradoras em locais como esses são retiradas dos locais e colocadas nas periferias da cidade. Em 2010, Goiânia foi considerada pela Organização das Nações Unidas como a cidade mais desigual do Brasil e a décima do mundo.

Subdivisões

O município de Goiânia era anteriormente divido em doze administrações regionais, sendo que hoje são sete (Centro, Sul, Sudoeste, Leste, Noroeste, Norte, Oeste), cada uma delas, por sua vez, dividida em vários bairros. Criadas em 2009, a jurisdição das unidades administrativas regionais leva em conta aspectos históricos e culturais. O modelo utilizado na capital é o mesmo de Curitiba, onde as administrações não possuem uma autonomia financeira.

Economia


Goiânia é a vigésima segunda cidade mais rica do Brasil, a décima segunda entre as capitais brasileiras e a primeira em seu estado. Segundo dados da Secretaria do Planejamento e Desenvolvimento (Seplan), em 2008 seu PIB somou R$ 19.450.000.000, o que equivale a aproximadamente 25,8% de toda produção de bens e serviços do estado.

Segundo dados do IBGE, em 2008, o PIB per capita do município foi de R$ 15.376,5. Sua região metropolitana possui um PIB de aproximadamente R$ 31,29 bilhões, o que corresponde a 38,61% de todo o PIB goiano em 2007. O município também está entre os oito municípios com a melhor infraestrutura do país. Estando em uma localização privilegiada no Brasil, é servida por uma malha viária e ferroviária que a liga aos principais centros e portos do país.

Goiânia está entre as capitais brasileiras que mais geram emprego no Brasil. Em Goiânia, a maior parte da produção no setor secundário se concentra na indústria de alimentos, principalmente na produção de temperos e arroz.

Mesmo localizada num estado fortemente agropecuário, a capital goiana destaca-se por ser um dos polos confeccionistas de roupa do Brasil. Contendo quase três mil indústrias da categoria, a cidade possui mais de 60% das empresas de moda instaladas em Goiás. Outros setores industriais são as fundições, o beneficiamento de algodão, gráfica, óleos vegetais, cerâmica, bebidas, madeira e mobiliário.

Relações Exteriores

Cidades-Irmãs

A política das cidades-irmãs procura incentivar o intercâmbio entre cidades que têm algo em comum com Goiânia. A troca de informações e o aumento do comércio entre elas são meios de tornar as cidades-irmãs mais próximas. Goiânia possui 10 cidades-irmãs, que são: Idar-Oberstein (Alemanha); Belém, Manaus, Uberlândia (Brasil); Grotte di Castro (Itália); Lyon, Paris (França); Barquisimeto (Venezuela); Guadalajara (México); Seattle (Estados Unidos)

Cultura

A responsável pelo setor cultural da prefeitura de Goiânia é a Secretaria Municipal de Cultura (SeCult), que tem como objetivo planejar e executar a política cultural do município por meio da elaboração de programas, projetos e atividades que visem ao desenvolvimento cultural. Atualmente, a SeCult é composta por seis unidades culturais.

Música

Alguns músicos reconhecidos no país e no exterior surgiram em Goiânia. O Koinonya, importante conjunto na história da música cristã brasileira se formou na cidade. Bandas de pop rock, como Mr. Gyn e Pedra Letícia também são de Goiânia. Um dos locais que revelaram muitos músicos na cidade foi o Conservatório Goiano de Música, com o Festival Nacional de Música de Goiânia, organizado na Universidade Federal de Goiás, cuja primeira edição decorreu em 1968.

Goiânia possui uma forte influência da música sertaneja. Grandes nomes desse estilo musical iniciaram uma carreira de sucesso na cidade, como Zezé di Camargo & Luciano, Leandro & Leonardo, Guilherme & Santiago, Bruno & Marrone, entre outros artistas do gênero que se destacam em Goiânia nos últimos anos. A cidade é reconhecida por ter alguns dos melhores festivais de música do país, como o Goiânia Noise Festival, de rock; Micarê Goiânia, de Axé; Goiânia Rodeo Festival, o maior rodeio do Centro-Oeste; e o Cerrado Rock Festival, também de rock. Goiânia também conta com uma orquestra sinfônica, fundada em 1993, que integra 62 músicos e um coro com 48 membros.

Atrações Turísticas

O grande acervo arquitetônico encontrado na cidade, os parques, a boa gastronomia faz com que Goiânia tenha seu destaque no turismo, principalmente os de negócios, ao qual a cidade é referência no país, principalmente por conta do baixo custo de vida, da boa localização no Brasil e a boa infraestrutura urbana. A rede hoteleira ainda deixa a desejar, contudo tem sofrido um crescimento.

Ao contrário de várias cidades na maior parte do Brasil, Goiânia não possui uma tradição carnavalesca e quando chega o carnaval a cidade fica vazia. A maior parte da população então, vai ao interior de Goiás, como Caldas Novas, Jaraguá, entre outros municípios. Dois motivos podem explicar a nula comemoração do carnaval em Goiânia: a diminuição do público apreciador de música popular e a maior procura por festas no interior, diretamente relacionada a um maior poder aquisitivo da classe média.

Uma das principais atrações da capital goiana são as feiras. Espalhadas em vários bairros, movimentam a cidade. A principal delas é a Hippie, a maior feira a ceu aberto da América Latina. Realizada nos domingos há mais de 40 anos, possui mais de seis mil expositores com vários tipos de produtos que atraem pessoas do Brasil inteiro, principalmente das regiões Norte e Nordeste. Já a Feira da Lua, criada em 1993, é voltada à população com um maior poder aquisitivo, principalmente por se localizar no bairro Oeste, um dos mais nobres de Goiânia. A média é de dez mil pessoas a cada sábado, dia em que a feira é realizada.

 

Índice

Dados

Fundação 24 de outubro de 1933
Gentílico goianiense
Prefeito(a) Paulo Garcia (PT)

Brasão de Goiânia

Bandeira de Goiânia

 

Localização

Estado Goiás
Mesorregião: Centro Goiano
Microrregião: Goiânia
Região metropolitana: Goiânia
Municípios: Abadia de Goiás, Aragoiânia, Aparecida de Goiânia, Goianápolis, Goianira, Hidrolândia, Nerópolis, Santo Antônio de Goiás, Senador Canedo e Trindade

Características geográficas

Área 739,492 km²
População
1 318 148 hab. - est. IBGE/2011
Densidade
1 782,5 hab/km²
Altitude
749 metros
Clima
Tropical com estação seca
Fuso horário UTC-3

Indicadores

IDH 0,832 - elevado PNUD/2000
PIB R$ 19,457 bi (BR: 8º) IBGE/2008
PIB per capita R$ 15 376,50 IBGE/2008